Medium 9788582714720

Teoria e Formulação de Casos em Análise Comportamental Clínica

Visualizações: 16
Classificação: (0)
Neste livro, a teoria sobre a Análise Comportamental Clínica é ilustrada a partir da apresentação de modelos de formulação comportamental e da análise de casos clínicos reais, contextualizados na realidade brasileira, com clientes de diversas idades e padrões de comportamento. São abordados, também, o atendimento on-line e os cuidados éticos e técnicos necessários nessa modalidade.
 

41 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

Capítulo 1. Análises funcionais moleculares e molares: um passo a passo

PDF

1

Análises funcionais moleculares e molares: um passo a passo

Lorena Bezerra Nery | Flávia Nunes Fonseca

Existem diferentes modelos de causalidade na

Psicologia. De maneira geral, tanto na linguagem cotidiana quanto em grande parte das abordagens psicológicas, o comportamento é visto como um indício de processos que ocorrem dentro da pessoa (processos neurológicos, fisiológicos ou mentais), como manifestações de acontecimentos internos (desejos, expectativas, sentimentos, etc.) ou também como a expressão de um agente interno ou de uma entidade com vontades próprias. Skinner, em seu famoso livro

Ciência e Comportamento Humano (1953/2003), discorre sobre diversas causas popularmente utilizadas para explicar comportamentos, desde a posição dos planetas quando a pessoa nasce ou a estrutura física do indivíduo (p. ex., as proporções do corpo, o formato da cabeça, a cor da pele e dos olhos, os sulcos nas palmas das mãos) até causas interiores conceituais, quando se usam descrições redundantes como forma de atribuir explicações (p. ex., “Joaquim fuma porque

 

Capítulo 2. Formulação comportamental ou diagnóstico comportamental: um passo a passo

PDF

2

Formulação comportamental ou diagnóstico comportamental: um passo a passo

Flávia Nunes Fonseca | Lorena Bezerra Nery

A busca pela compreensão do comportamento humano e de suas causas remonta ao período da Antiguidade (ver capítulo de Silva & Bravin, neste livro). Nesse contexto, verifica-se que o investimento no desenvolvimento de classificações para os transtornos mentais também é antigo, tendo como um antecedente histórico significativo a doutrina de Hipócrates (460-377 a.C.), que sugere desequilíbrios corporais como origem para a doença mental. Outro importante marco histórico foi o Tratado Médico-Filosófico sobre a Alienação Mental, de Pinel, o qual defende que são desarranjos na mente que produzem a loucura (Cavalcante & Tourinho, 1998).

Segundo Dalgalarrondo (2000), na Medicina e na Psicopatologia, há diferentes critérios de normalidade e anormalidade. Como exemplos, podem-se citar:

1. Normalidade como ausência de doença: ausência de sintomas, de sinais ou de doenças.

 

Capítulo 3. Reflexões sobre o estabelecimento de objetivos terapêuticos na clínica analítico-comportamental

PDF

3

Reflexões sobre o estabelecimento de objetivos terapêuticos na clínica analítico-comportamental

Nicolau Chaud de Castro Quinta

Ao contrário do que aconteceu com muitas abordagens e modelos terapêuticos da Psicologia, a Análise do Comportamento foi concebida e desenvolvida sem nenhuma preocupação inicial direta com práticas clínicas. Enquanto ciência psicológica, propõe-se a descrever e explicar fenômenos comportamentais sob uma ótica behaviorista radical. Ainda que Skinner em sua obra tenha deixado explícitos seus vieses políticos e seu interesse em promover modificações culturais por meio de uma ciência do comportamento (Skinner, 1948/1977, 1953/1998, 1971/2000), a

Análise do Comportamento enquanto corpo de conhecimento não tem caráter prescritivo. Assim, embora exista um alto grau de coerência e uniformidade teórica na descrição dos fenômenos comportamentais tratados em qualquer terapia de base analítico-comportamental, não existem parâmetros universais ou unânimes que ditam como um processo psicoterapêutico deve ser conduzido a partir dessa ciência.

 

Capítulo 4. O mundo encoberto de cada um: técnicas que auxiliam o autoconhecimento

PDF

4

O mundo encoberto de cada um: técnicas que auxiliam o autoconhecimento

Katrine Souza Silva | André Amaral Bravin

Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses.

Sócrates

Desde a Grécia Clássica, por volta do século VI a.C., iniciou­se uma acentuada preocupação com o conhecimento, tanto de questões subjetivas do ser humano quanto das relações estabelecidas entre o ser humano e o mundo e entre os pró­ prios seres humanos. Sócrates foi um dos primei­ ros filósofos a destacar que o conhecimento de­ veria ter primeiramente um ponto de vista indi­ vidual para, só então, falar do universal (Chauí,

2000). Nesse sentido, Sócrates instaurou seu pen­ samento com base no preceito “conhece a ti mes­ mo” para explicitar a desvinculação do homem em relação à physis universal. O homem deveria se voltar para o conhecimento de si mesmo, com autoconsciência despertada e mantida em vigília.

Esses fundamentos sugerem que Sócrates com­ partilhava do preceito de que o homem era a me­ dida de todas as coisas. Como sugerido por Wolff

 

Capítulo 5. O autoconhecimento na terapia comportamental: revisão conceitual e recursos terapêuticos como sugestão de intervenção

PDF

5

O autoconhecimento na terapia comportamental: revisão conceitual e recursos terapêuticos como sugestão de intervenção

Esequias Caetano de Almeida Neto | Denise Lettieri

Poucos discordariam que um repertório refinado de autoconhecimento coloca o indivíduo em situação vantajosa em relação a seu mundo físico e social. Alguém que saiba reconhecer a sensação de fome mais provavelmente irá buscar comida no momento adequado e, assim, eliminar a fome. Alguém que saiba identificar quais condições são capazes de lhe gerar sentimentos agradáveis terá mais facilidade para criar ocasiões para experimentá-los e, assim, sentir-se melhor.

Uma pessoa capaz de perceber quais comportamentos seus geram mais aproximação ou afastamento em suas relações interpesso ais mais facilmente conseguirá se relacionar de maneira satisfatória com outras pessoas. Conforme dizia Skinner (1974/2000), “uma pessoa que se tornou consciente de si mesma (...) está em melhor posição de prever e controlar seu próprio comportamento” (p. 31).

 

Capítulo 6. A formulação comportamental na terapia analítico-comportamental infantil

PDF

6

A formulação comportamental na terapia analítico-comportamental infantil

Ana Rita Coutinho Xavier Naves | Raquel Ramos Ávila

Uma criança, ao ser frequentemente exposta a altas exigências nos âmbitos familiar, educacional e social, associadas à falta de repertórios comportamentais amplos ou bem estabelecidos, pode apresentar comportamentos tidos como perturbadores que requerem intervenção de um profissional capacitado, no campo da Psicologia. Comportamentos perturbadores1, em oposição a comportamentos chamados alternativos, repercutem negativamente nas interações interpessoais da criança, tanto para ela diretamente como para outros indivíduos. Tais comportamentos perturbam de alguma maneira essas interações ao produzirem consequências aversivas, emoções indesejáveis, conflitos recorrentes, custos altos e assim por diante, ainda que em uma análise mais ampla também resultem em alguns benefícios (Layng, 2009). Devido às demandas presentes nas contingências nas quais a criança está inserida atualmente e ao sofrimento pessoal e familiar gerado por comportamentos perturbadores por ela adquiridos, o atendimento psicológico a crianças e seus cuidadores2 tem se tornado frequente no cenário brasileiro.

 

Capítulo 6. A formulação comportamental na terapia analítico-comportamental infantil

PDF

6

A formulação comportamental na terapia analítico-comportamental infantil

Ana Rita Coutinho Xavier Naves | Raquel Ramos Ávila

Uma criança, ao ser frequentemente exposta a altas exigências nos âmbitos familiar, educacional e social, associadas à falta de repertórios comportamentais amplos ou bem estabelecidos, pode apresentar comportamentos tidos como perturbadores que requerem intervenção de um profissional capacitado, no campo da Psicologia. Comportamentos perturbadores1, em oposição a comportamentos chamados alternativos, repercutem negativamente nas interações interpessoais da criança, tanto para ela diretamente como para outros indivíduos. Tais comportamentos perturbam de alguma maneira essas interações ao produzirem consequências aversivas, emoções indesejáveis, conflitos recorrentes, custos altos e assim por diante, ainda que em uma análise mais ampla também resultem em alguns benefícios (Layng, 2009). Devido às demandas presentes nas contingências nas quais a criança está inserida atualmente e ao sofrimento pessoal e familiar gerado por comportamentos perturbadores por ela adquiridos, o atendimento psicológico a crianças e seus cuidadores2 tem se tornado frequente no cenário brasileiro.

 

Capítulo 7. O uso do desenho na avaliação de repertórios comportamentais de crianças

PDF

7

O uso do desenho na avaliação de repertórios comportamentais de crianças

Cíntia Figueiredo | Ana Rita Coutinho Xavier Naves

A análise funcional representa a principal ferramenta de investigação do analista do comportamento. Independentemente da área de atuação,

é esse instrumento que permitirá ao profissional identificar variáveis de controle do comportamento-alvo (antecedentes e consequentes). A partir da compreensão da relação estabelecida entre o organismo e eventos ambientais específicos, torna-se possível a elaboração de intervenções que busquem atender às demandas terapêuticas identificadas na interação entre cliente e terapeuta.

Profissionais que trabalham de acordo com os princípios da Análise do Comportamento utilizam a análise funcional como ferramenta de coleta de dados e intervenção. Frequentemente, a bibliografia refere-se ao seu uso como ferramenta essencial no contexto clínico analítico-comportamental relacionado ao cliente adulto (Chiesa, 1994/2006; Haynes & O’Brien, 1990; Meyer,

 

Capítulo 7. O uso do desenho na avaliação de repertórios comportamentais de crianças

PDF

7

O uso do desenho na avaliação de repertórios comportamentais de crianças

Cíntia Figueiredo | Ana Rita Coutinho Xavier Naves

A análise funcional representa a principal ferramenta de investigação do analista do comportamento. Independentemente da área de atuação,

é esse instrumento que permitirá ao profissional identificar variáveis de controle do comportamento-alvo (antecedentes e consequentes). A partir da compreensão da relação estabelecida entre o organismo e eventos ambientais específicos, torna-se possível a elaboração de intervenções que busquem atender às demandas terapêuticas identificadas na interação entre cliente e terapeuta.

Profissionais que trabalham de acordo com os princípios da Análise do Comportamento utilizam a análise funcional como ferramenta de coleta de dados e intervenção. Frequentemente, a bibliografia refere-se ao seu uso como ferramenta essencial no contexto clínico analítico-comportamental relacionado ao cliente adulto (Chiesa, 1994/2006; Haynes & O’Brien, 1990; Meyer,

 

Capítulo 8. A intervenção clínica comportamental para problemas no momento de dormir e despertar noturno na infância

PDF

8

A intervenção clínica comportamental para problemas no momento de dormir e despertar noturno na infância

Renatha El Rafihi-Ferreira | Maria Laura Nogueira Pires | Edwiges Silvares

PROBLEMAS DE SONO

NA INFÂNCIA: DEFINIÇÃO

E PREVALÊNCIA

Os problemas de sono mais frequentes em crianças pequenas são as dificuldades de iniciar e manter o sono. Essas queixas são referidas como problemas no momento de dormir e despertares noturnos (Meltzer & Mindell, 2014).

Problemas no momento de dormir

Problemas no momento de dormir são caracterizados pela resistência a ir para a cama, permanecer nela ou se negar a participar da rotina pré-sono. Assim, é frequente as crianças relutarem para ir para a cama ou atrasar esse momento com repetidas requisições (p. ex., mais uma história ou um beijo a mais) (Durand, 2008; Moore, 2010;

Owens, 2008).

Esses problemas iniciam quando as crianças buscam independência e testam os limites de seus cuidadores, o que é extremamente comum durante o seu desenvolvimento. Contudo, à noite, muitos pais encontram dificuldades no manejo de tais comportamentos, o que leva a inconsistências na rotina pré-sono e no estabelecimento de limites, e, consequentemente, os problemas no momento de dormir emergem (Mindell &

 

Capítulo 8. A intervenção clínica comportamental para problemas no momento de dormir e despertar noturno na infância

PDF

8

A intervenção clínica comportamental para problemas no momento de dormir e despertar noturno na infância

Renatha El Rafihi-Ferreira | Maria Laura Nogueira Pires | Edwiges Silvares

PROBLEMAS DE SONO

NA INFÂNCIA: DEFINIÇÃO

E PREVALÊNCIA

Os problemas de sono mais frequentes em crianças pequenas são as dificuldades de iniciar e manter o sono. Essas queixas são referidas como problemas no momento de dormir e despertares noturnos (Meltzer & Mindell, 2014).

Problemas no momento de dormir

Problemas no momento de dormir são caracterizados pela resistência a ir para a cama, permanecer nela ou se negar a participar da rotina pré-sono. Assim, é frequente as crianças relutarem para ir para a cama ou atrasar esse momento com repetidas requisições (p. ex., mais uma história ou um beijo a mais) (Durand, 2008; Moore, 2010;

Owens, 2008).

Esses problemas iniciam quando as crianças buscam independência e testam os limites de seus cuidadores, o que é extremamente comum durante o seu desenvolvimento. Contudo, à noite, muitos pais encontram dificuldades no manejo de tais comportamentos, o que leva a inconsistências na rotina pré-sono e no estabelecimento de limites, e, consequentemente, os problemas no momento de dormir emergem (Mindell &

 

Capítulo 9. Anorexia nervosa na adolescência: avaliação e tratamento sob a perspectiva analítico-comportamental

PDF

9

Anorexia nervosa na adolescência: avaliação e tratamento sob a perspectiva analítico-comportamental

Felipe Alckmin-Carvalho | Márcia H. S. Melo

No presente capítulo, inicialmente são descritos os critérios diagnósticos da anorexia nervosa

(AN), os prejuízos fisiológicos e sociais associados ao transtorno psiquiátrico e as mudanças na epidemiologia do transtorno alimentar (TA). Em um segundo momento, é descrita a compreensão analítico-comportamental da AN, com ênfase em seus determinantes filogenéticos, ontogenéticos e culturais. Por fim, trazemos o caso clínico de um menino, adolescente, diagnosticado com AN; apresentamos análises funcionais molares e moleculares do caso e as implicações dessas análises para o delineamento do tratamento.

Consideramos que este capítulo contribui para preencher uma lacuna na literatura científica nacional sobre a avaliação e o tratamento analítico-comportamental de adolescentes com AN.

Esperamos que a leitura seja útil para a formação de psicólogos clínicos e outros profissionais da

 

Capítulo 9. Anorexia nervosa na adolescência: avaliação e tratamento sob a perspectiva analítico-comportamental

PDF

9

Anorexia nervosa na adolescência: avaliação e tratamento sob a perspectiva analítico-comportamental

Felipe Alckmin-Carvalho | Márcia H. S. Melo

No presente capítulo, inicialmente são descritos os critérios diagnósticos da anorexia nervosa

(AN), os prejuízos fisiológicos e sociais associados ao transtorno psiquiátrico e as mudanças na epidemiologia do transtorno alimentar (TA). Em um segundo momento, é descrita a compreensão analítico-comportamental da AN, com ênfase em seus determinantes filogenéticos, ontogenéticos e culturais. Por fim, trazemos o caso clínico de um menino, adolescente, diagnosticado com AN; apresentamos análises funcionais molares e moleculares do caso e as implicações dessas análises para o delineamento do tratamento.

Consideramos que este capítulo contribui para preencher uma lacuna na literatura científica nacional sobre a avaliação e o tratamento analítico-comportamental de adolescentes com AN.

Esperamos que a leitura seja útil para a formação de psicólogos clínicos e outros profissionais da

 

Capítulo 10. Envelhecimento e depressão: uma perspectiva analítico-comportamental

PDF

10

Envelhecimento e depressão: uma perspectiva analítico-comportamental

Eliene Moreira Curado | Paula Carvalho Natalino

Envelhecimento e depressão, quando tomados como objetos de estudo separadamente, são dois fenômenos complexos por envolverem múltiplos fatores e se manifestarem de diferentes maneiras.

Quando tomados em conjunto, representam um desafio ainda maior para pesquisadores e profissionais que atuam com a população idosa nos mais diversos contextos – profissional, educacional, de saúde, de entretenimento, entre outros.

Enquanto o envelhecimento humano é inquestionavelmente universal, a depressão atinge uma parcela considerável das populações em todo o mundo. Contudo, ambos são frequentemente alvo de preconceito, o que pode prejudicar a produção de conhecimento científico, favorecer práticas sociais e de saúde discriminatórias e afetar de forma negativa o comportamento das pessoas idosas e das pessoas em depressão. Paschoal (2002) descreve ser comum associar a velhice a incapacidade, dependência, doença e solidão e considerar o idoso chato, rabugento e triste. A mídia reforça esses preconceitos, segundo

 

Capítulo 10. Envelhecimento e depressão: uma perspectiva analítico-comportamental

PDF

10

Envelhecimento e depressão: uma perspectiva analítico-comportamental

Eliene Moreira Curado | Paula Carvalho Natalino

Envelhecimento e depressão, quando tomados como objetos de estudo separadamente, são dois fenômenos complexos por envolverem múltiplos fatores e se manifestarem de diferentes maneiras.

Quando tomados em conjunto, representam um desafio ainda maior para pesquisadores e profissionais que atuam com a população idosa nos mais diversos contextos – profissional, educacional, de saúde, de entretenimento, entre outros.

Enquanto o envelhecimento humano é inquestionavelmente universal, a depressão atinge uma parcela considerável das populações em todo o mundo. Contudo, ambos são frequentemente alvo de preconceito, o que pode prejudicar a produção de conhecimento científico, favorecer práticas sociais e de saúde discriminatórias e afetar de forma negativa o comportamento das pessoas idosas e das pessoas em depressão. Paschoal (2002) descreve ser comum associar a velhice a incapacidade, dependência, doença e solidão e considerar o idoso chato, rabugento e triste. A mídia reforça esses preconceitos, segundo

 

Capítulo 11. Protocolo interdisciplinar para acolhimento a gestantes usuárias de drogas em hospital terciário

PDF

11

Protocolo interdisciplinar para acolhimento a gestantes usuárias de drogas em hospital terciário

Marina Kohlsdorf | Maria Marta N. de Oliveira Freire

Valéria de Oliveira Costa | Marjorie Moreira de Carvalho

A dependência química do crack tem se tornado um grave problema na saúde pública brasileira.

De modo especial, a população de gestantes usuá­ rias dessa droga tem sido um grupo de extremo risco, tendo em vista que a ingestão da substância causa prejuízos não apenas à mãe, mas especial­ mente à criança em desenvolvimento intrauteri­ no. A literatura em Análise do Comportamento apresenta proposições interessantes sobre a de­ pendência química, porém os estudos são majo­ ritariamente propostas teóricas ou investigações com modelos animais. Este capítulo apresenta a análise de um programa de acolhimento a ges­ tantes usuárias de crack, implementado ao lon­ go de dois anos em um hospital terciário da rede pública de saúde do Distrito Federal. Inicialmen­ te, dados epidemiológicos e subsídios da literatu­ ra em Psicologia do Desenvolvimento Humano são descritos para caracterizar o cenário do uso de crack durante a gestação. Em seguida, as au­ toras descrevem (a) o perfil sociodemográfico e epidemiológico de 80 gestantes usuárias de dro­ gas que foram acolhidas ao longo de dois anos de trabalho em hospital terciário; e (b) o protoco­ lo interdisciplinar de acolhimento a esse público, formulado ao longo desse período. Por fim, apre­ sentam­se algumas formulações comportamen­ tais acerca da dependência química na gestação, tendo por base os dados apresentados e as refle­ xões da equipe sobre as macrocontingências de ordem biopsicossocial envolvidas na compreen­ são do fenômeno. Pretende­se enfatizar que a de­ pendência química se estabelece essencialmente a partir de um processo de aprendizagem ope­ rante, e não apenas como uma resposta filogené­ tica do organismo, aspecto que proporciona am­

 

Capítulo 11. Protocolo interdisciplinar para acolhimento a gestantes usuárias de drogas em hospital terciário

PDF

11

Protocolo interdisciplinar para acolhimento a gestantes usuárias de drogas em hospital terciário

Marina Kohlsdorf | Maria Marta N. de Oliveira Freire

Valéria de Oliveira Costa | Marjorie Moreira de Carvalho

A dependência química do crack tem se tornado um grave problema na saúde pública brasileira.

De modo especial, a população de gestantes usuá­ rias dessa droga tem sido um grupo de extremo risco, tendo em vista que a ingestão da substância causa prejuízos não apenas à mãe, mas especial­ mente à criança em desenvolvimento intrauteri­ no. A literatura em Análise do Comportamento apresenta proposições interessantes sobre a de­ pendência química, porém os estudos são majo­ ritariamente propostas teóricas ou investigações com modelos animais. Este capítulo apresenta a análise de um programa de acolhimento a ges­ tantes usuárias de crack, implementado ao lon­ go de dois anos em um hospital terciário da rede pública de saúde do Distrito Federal. Inicialmen­ te, dados epidemiológicos e subsídios da literatu­ ra em Psicologia do Desenvolvimento Humano são descritos para caracterizar o cenário do uso de crack durante a gestação. Em seguida, as au­ toras descrevem (a) o perfil sociodemográfico e epidemiológico de 80 gestantes usuárias de dro­ gas que foram acolhidas ao longo de dois anos de trabalho em hospital terciário; e (b) o protoco­ lo interdisciplinar de acolhimento a esse público, formulado ao longo desse período. Por fim, apre­ sentam­se algumas formulações comportamen­ tais acerca da dependência química na gestação, tendo por base os dados apresentados e as refle­ xões da equipe sobre as macrocontingências de ordem biopsicossocial envolvidas na compreen­ são do fenômeno. Pretende­se enfatizar que a de­ pendência química se estabelece essencialmente a partir de um processo de aprendizagem ope­ rante, e não apenas como uma resposta filogené­ tica do organismo, aspecto que proporciona am­

 

Capítulo 12. Deficiência: uma leitura analítico-comportamental, da topografia à intimidade

PDF

12

Deficiência: uma leitura analítico-comportamental, da topografia à intimidade

Clarissa Grasiella da Silva Câmara | Lorena Bezerra Nery

O presente capítulo tem o objetivo de apresentar os desafios e progressos no atendimento psicoterapêutico individual analítico-comportamental, em clínica-escola, de um adolescente com deficiência, adquirida na gestação, e com dificuldades escolares. Para tanto, serão apresentados os diagnósticos tradicionais dados ao jovem, as particularidades do caso e a participação da rede de apoio mais próxima no formato de uma formulação comportamental construída durante quase dois anos de processo psicoterapêutico.

A deficiência, denominada mielomeningocele ou espinha bífida, está relacionada ao defeito do fechamento do tubo neural durante a gestação. É ocasionada por fatores genéticos e ambientais. Ela poderá ser a fonte de diversas sequelas neurológicas e motoras determinadas pela localidade da coluna na qual ocorre a má-formação e pela magnitude das lesões no conteúdo do sistema nervoso (Andrade, Nomura, Barini,

 

Carregar mais


Detalhes do Produto

Livro Impresso
eBook
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Não
SKU
MFPP000001839
ISBN
9788582714737
Tamanho do arquivo
6 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Não
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados