86 capítulos
  Título Autor Editora Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta
Medium 9788536313412

Capítulo 9 - Finais

Garry Kasparov Grupo A PDF

72

Finais

Rei e Dama versus Rei

Esse é o final mais básico de todos, e você tem de saber como conseguir a vitória. Há três elementos no processo vitorioso:

Estas são posições de mate típicas:

Ativar as peças.

Empurrar o rei adversário para a extremidade do tabuleiro.

Montar uma posição de xeque-mate.

O que você precisa saber

Rei e dama versus rei é o final de jogo “simples” mais comum. É uma vitória fácil – mas você TEM

DE saber como conseguir a vitória.

O rei sozinho só pode ser colocado em mate na extremidade do tabuleiro.

Com freqüência, é mais fácil fazer o rei recuar com movimentos “restritivos” do que com movimentos de xeque.

Cuidado com o mate afogado!

Neste final, o principal erro cometido por iniciantes

é cair acidentalmente no mate afogado. Como vimos antes, esse mate – que ocorre quando um lado não dispõe de nenhum movimento legal – resulta em empate. Aqui estão dois exemplos de mate afogado com o rei e a dama.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536313634

Capítulo 3. Aberturas clássicas do Peão do Rei

Yasser Seirawan Grupo A PDF

3

Aberturas clássicas do Peão do Rei

A

gora que você já sabe que a chave para ganhar uma boa posição desde a abertura é controlar o centro – em especial as quatro casas mais centrais, também chamadas de “pequeno centro” – com peões e peças menores, está na hora de introduzir um novo conceito: a noção de equilíbrio. Dê uma olhada no Diagrama 17, a posição inicial. Os dois exércitos estão espelhados com perfeição. Os exércitos opostos estão em harmonia, ou o que Wilhelm Steinitz (1836-1900, campeão mundial de 1886 a 1894), o primeiro campeão mundial oficialmente reconhecido, chamou de equilíbrio. Gerações de enxadristas debateram qual seria o resultado de uma partida se ela fosse disputada com lances perfeitos pelos dois lados. As partidas acabariam sempre em empate? Quando as brancas fazem o primeiro movimento, elas perturbam o equilíbrio e ganham a vantagem de poder desenvolver seu exército ao mesmo tempo em que reivindicam uma parte do centro. As pretas reagem de maneira a restaurar o equilíbrio. As-

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848466

Capítulo 2. Melhorando as peças

Johan Hellsten Grupo A PDF

2

Melhorando as peças

Neste capítulo, vamos estudar mais detalhadamente como melhorar nossas peças. Em muitas ocasiões, observaremos a cooperação entre duas ou mais peças, como torre e dama ou o par de bispos, por exemplo.

tes a desenvolver seu bispo restante. Ideias como 12 ♗g5 ou talvez 12 f3 seguido por

♗e3 vêm à mente. Contudo, há uma diagonal mais poderosa.

O bispo

Em todas as fases da partida, devemos constantemente procurar por diagonais ideais para nossos bispos. Já que o bispo é capaz de se mover rapidamente de um lado para o outro, seu alcance pode melhorar drasticamente em poucos lances.

Vamos começar com alguns exemplos em que um jogador toma uma das longas diagonais. O fato de elas cruzarem o tabuleiro inteiro se comprova mais importante do que se poderia pensar inicialmente.

Exemplo 11

A.Bujakevich – L.Kritz

Moscou, 1996

Já na abertura nos deparamos com as chances de diagonais para nossos bispos. Na posição do diagrama, as Brancas estão pres-

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899675

5: Tigran Petrosian

Yasser Seirawan Grupo A PDF

5

Tigran Petrosian

De todos os Campeões Mundiais, Tigran

Vartanovich Petrosian (1929-1984) é o mais difícil de categorizar. Todos queremos boas definições, rótulos que possamos afixar às pessoas ou coisas para nos sentirmos confortáveis ao dar-nos uma referência para compreender. Chamamos algo de “martelo” ou alguém “semelhante a um martelo” e ficamos imediatamente satisfeitos. Sabemos o que é um martelo e estamos prontos para conversar mais sobre as qualidades da pessoa semelhantes a um martelo. Por quê?

Conhecemos positivamente o camarada e estamos prontos para elucidar mais!

Ficamos satisfeitos chamando Mikhail

Tal de “um gênio da combinação”, “um tático sem pares” ou “um mágico tático”. Isso certamente nos ajuda a nos sentirmos mais pertos de Tal e podemos definir o enxadrista, ao menos um pouco, para nós mesmos, mesmo que tal definição seja ridiculamente limitada. Tal nunca jogou um final de partida em sua vida? Puxa, ele era capaz de jogar finais de partida? Ou ele polvilhava sua poeira tática mágica sobre todas as posições, inclusive reis expostos, produzindo fogos de artifício num instante?

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899545

Desafios

Garry Kasparov Grupo A PDF

Desafios

Os seguintes desafios irão testar o quanto você entendeu e absorveu do material anterior deste livro.

Todos os desafios dependem de estratagemas táticos que já consideramos, mas você não receberá pista alguma. Ninguém lhe dirá para procurar pelo espeto, pela cravada, pelo xeque-mate ou qualquer outra coisa. Assim eles se assemelham a uma partida de verdade, onde você precisa encontrar as táticas sem auxílio.

Uma boa ideia é considerar uma posição e, se nada lhe ocorre imediatamente, dizer para si mesmo: “Não seria bom se...”, e a partir daí tentar encontrar uma forma de fazer o “se...” acontecer.

79

Exemplo 1

Exemplo 2

Short – Biyasis

Hastings, 1980 jogue com as Brancas

Gerstner – Machelett

Alemanha, 1994 jogue com as Brancas

Claramente as Brancas têm um bom ataque e as Pretas têm casas fracas ao redor do rei. As Brancas gostariam de jogar Txf8+, forçando o mate, mas, infelizmente, sua torre está cravada. Existe algum modo de libertar a torre dessa cravada?

Ver todos os capítulos
Medium 9788536313634

Capítulo 1. Primórdios

Yasser Seirawan Grupo A PDF

XADREZ VITORIOSO: ABERTURAS

13

1

Primórdios

D

ê uma olhada no Diagrama 1, a posição inicial de uma partida de xadrez. É a posição mais complicada no xadrez. Pode acreditar. O Grande

Mestre David Bronstein, que empatou o match do Campeonato Mundial de

Xadrez em 1951, freqüentemente ia à partida de um torneio importante e sentava, maravilhado, olhando essa mesma posição. Uma vez ele levou mais de 50 minutos em seu primeiro lance! E em que será que esse gênio do xadrez, esse titã, praticamente co-campeão do mundo inteiro do xadrez, estava pensando?

“Eu estava imaginando que lance fazer”, disse David.

A posição inicial é realmente tão complexa assim? A resposta é mais complicada que um simples sim ou não. E a complexidade aumenta à medida que o estudante aprende mais! Quando estava jogando minhas primeiras partidas de xadrez, tinha certeza absoluta de qual era o melhor lance (claro que eu estava redondamente enganado). Agora, como Grande

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899569

Introdução

Simon Williams Grupo A PDF

Introdução

Como e por que alguns jogadores de xadrez vencem seus jogos em muito menos tempo do que outros? Será porque eles têm sorte? Tem algo a ver com o seu estilo de jogo? Ou talvez os seus adversários estejam jogando mal e cometendo muitos erros na abertura?

Eu suspeito que muitos jogadores adorariam acabar com seus oponentes o mais rápido possível, seja com um ataque brilhante ou com uma armadilha bem planejada. Bem, este livro tenta entender exatamente como e por que certos jogadores conseguem vencer em menos de 25 lances.

Em geral, é uma combinação dos fatores acima que faz os jogadores vencerem rapidamente. Afinal, um jogador tende a fazer sua própria sorte. E ele faz isso escolhendo a abertura certa e causando o maior número de problemas possível ao seu adversário, especialmente fazendo-o mostrar tudo o que sabe desde o início. De fato, seu estilo de jogo terá um grande impacto no modo como a partida se desenvolve. Se sua abertura for ligeiramente arriscada, você terá mais chances de vencer rapidamente; por outro lado, você também aumenta suas chances de perder muito rápido. Realmente, é necessário ter cautela quanto ao modo como você encara uma partida. Costuma ser uma boa ideia correr riscos, mas também é necessário escolher o oponente certo para correr esse risco.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899682

Capítulo 2 - Perseguindo o Rei no Centro

Neil McDonald Grupo A PDF

2

Perseguindo o Rei no Centro

Deixar o rei no centro por muito tempo é um risco ocupacional para os enxadristas. Há muitas razões para arriscarmos a segurança de nossa peça mais importante, incluindo incompetência, falta de senso de perigo e um sutil erro de cálculo. Apesar de parecer um erro cometido por culpa própria, enxadristas do estilo agressivo empregam várias técnicas para persuadir seus adversários a correr riscos desnecessários com seu rei.

Então, imaginemos que tenhamos motivado o adversário a manter o seu rei centralizado. Qual é a melhor maneira de puni-lo? Um método clássico do xadrez agressivo é trazer as torres rapidamente para o ataque. É improvável que o adversário responda trazendo as próprias torres para a defesa, mesmo porque seu rei estará no meio do caminho. Portanto, mesmo que se faça um sacrifício de material muito grande para envolver suas torres na investida, provavelmente ainda se terá muito poder de fogo ao qual a defesa terá que resistir.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536313412

Capítulo 8 - Aberturas

Garry Kasparov Grupo A PDF

62 Aberturas

Princípios Básicos

Já sabemos que toda partida de xadrez começa a partir da mesma posição inicial. Portanto, não é surpresa a constante repetição de certos movimentos e padrões.

Esses modos padronizados de começar a partida são chamados de aberturas.

Mas, como tudo no xadrez, as idéias fundamentais da abertura baseiam-se em regras simples. Na etapa inicial da partida, estes são os objetivos mais importantes:

Com freqüência, é bastante fácil prever os movimentos iniciais das partidas, pois as aberturas têm sido estudadas desde que o xadrez começou a ser jogado.

Muitas aberturas ganharam nomes estranhos e interessantes, em geral em homenagem aos jogadores que mais contribuíram para sua popularização ou ao local onde foram jogadas pela primeira vez. Na verdade, diversas aberturas têm nomes relacionados a países, entre elas a Abertura Inglesa, a Defesa Francesa, a Abertura Escocesa, a Defesa Holandesa, a Abertura

Italiana, a Escandinava, a Abertura Espanhola, o

Ver todos os capítulos
Medium 9788536313412

Capítulo 4 - Vitória e Empate

Garry Kasparov Grupo A PDF

34 Vitória e Empate

Vitória

Abandonar a partida

Aqui está um exemplo típico:

Em geral, a partida jogada por iniciantes termina em xeque-mate. No entanto, em níveis mais elevados, esse resultado é raro. Isso acontece porque, quase sempre, chega um momento no qual a derrota é inevitável, após o que não faz mais sentido continuar. Em alguns casos, surge um xeque-mate óbvio; em outros, o jogador perde tanto material que fica sem condições de virar o jogo. A essa altura, o jogador pode “abandonar” a partida – ele simplesmente diz “abandono” ou então, de modo mais dramático, tomba o rei.

Não fique muito ansioso para abandonar a partida.

Afinal de contas, essa atitude significa renunciar a qualquer chance restante, por menor que ela seja.

No entanto, ao perceber que a posição é realmente irremediável, o melhor a fazer é desistir, em vez de ficar sentado, esperando a inevitável execução.

Neste final, as Brancas têm três peões a mais. Como já sabemos, quando os peões alcançam a primeira fila do oponente, podem ser promovidos a dama. As

Ver todos os capítulos
Medium 9788536306513

Capítulo 8. O domínio territorial

Yasser Seirawan Grupo A PDF

8

O domínio territorial

N

um jogo de xadrez, uma das aquisições mais importantes é ganhar espaço.

Parece que os bons jogadores estão sempre dispostos a lutar por mais espaço.

Assim como Karpov, sou um viciado em espaço, e qualquer grande mestre com inclinações posicionais acredita tanto quanto nós nas virtudes do território.

Ganhamos território pelo uso estratégico de nossos peões. Em geral, todas as casas atrás de nossos peões são consideradas como nosso espaço, a não ser que um peão inimigo possa atacá-las. No Diagrama 95, por exemplo, as casas marcadas com “x” e “�” são o território controlado. Numa rápida olhada, já percebemos que as brancas têm mais “�” atrás de seus peões do que as pretas; portanto, as brancas têm mais espaço em todas as três seções do tabuleiro (ala da Dama, centro e ala do Rei). No campo das brancas, as casas marcadas são plataformas seguras para o exército branco. No campo das pretas, as casas marcadas são as

únicas que as pretas possuem para suas próprias peças. Observe que as casas em que estão os peões não são consideradas território, apenas se tornando território quando os peões avançam. A casa-f4, por exemplo, tecnicamente não é uma casa

Ver todos os capítulos
Medium 9788563899682

Capítulo 4 - A História de Vida de um Cavalo

Neil McDonald Grupo A PDF

4

A História de Vida de um Cavalo

Neste capítulo, veremos as vicissitudes da fortuna pelas quais um cavalo pode passar em um tabuleiro de xadrez. Começaremos por seus momentos mais felizes, quando ele pode combinar o seu poder único com o da dama. A seguir, o veremos avaliando todo o campo de batalha, a partir de um posto avançado, encantado e não temeroso de estar na linha de frente do ataque. Depois disso, o clima fica obscuro, quando o cavalo é apanhado em um ataque que fracassou. E, finalmente, para sua vergonha completa, ele é paralisado pela ação de meros peões.

Combinações com o cavalo

Como será demonstrado neste livro, Morphy possuía um domínio de estratégia maior que qualquer outro de seus contemporâneos. Mesmo assim, ele entrou para a crença popular como um tático brilhante e aventureiro, não muito diferente de Anderssen. Certamente, quando o americano enfrentava adversários relativamente fracos, em partidas não oficiais, manifestava completamente seus poderes táticos surpreendentes. Eis o meu exemplo favorito de seu talento para uma combinação.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536313412

Capítulo 3 - A Notação

Garry Kasparov Grupo A PDF

30 A Notação

A Notação do Xadrez

O xadrez tem uma característica fantástica – é possível escrever os movimentos durante a partida. Quando você joga com o computador, essa máquina, sempre muito útil, em geral registra os movimentos. Mas, quando o adversário é um amigo, se quiser, você mesmo pode anotar os lances.

Há várias boas razões para se fazer isso. Às vezes, jogamos uma bela partida, que vamos querer repetir depois, quando for apropriado. Para melhorar nossa habilidade, registramos a partida a fim de analisá-la mais tarde, tentando observar o que foi feito de certo e errado, possivelmente com a ajuda de um professor.

Além disso, é fácil encontrar uma enorme quantidade de livros e textos sobre xadrez em jornais, revistas, livros e na Internet. Para utilizar esse material, você tem de conhecer a notação do xadrez.

Felizmente, a notação do xadrez não é complicada e pode ser compreendida com facilidade.

Até aqui você conheceu o tabuleiro e a denominação das casas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788565848466

Capítulo 5. Profilaxia

Johan Hellsten Grupo A PDF

5

Profilaxia

Os três capítulos anteriores mostraram numerosos exemplos de como melhorar suas peças, realizar trocas favoráveis e usar os próprios peões para obter todo tipo de benefício. Em contraste, o foco do presente capítulo está no jogo do adversário, mais especificamente nas medidas que podemos tomar para prevenir ou confrontar seus planos. Eu usei “Profilaxia” como nome deste capítulo porque é um termo comum na bibliografia enxadrística para se referir a essas questões. Ainda assim, esse termo pode ter mais de uma interpretação, motivo pelo qual optei por uma divisão em diversos conceitos.

Antes de entrar em maiores detalhes, aqui está uma breve definição de cada conceito, da maneira como são interpretados no livro:

Restrição

Prevenir os movimentos e os planos do adversário. Isto é, não deixá-lo fazer o que quer.

Profilaxia

Preparar-se para os planos do adversário.

Isto é, deixá-lo fazer o que quer, mas com menos impacto do que o esperado.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536306513

Capítulo 12. Solução dos testes

Yasser Seirawan Grupo A PDF

12

Solução dos testes

TESTE 1: na partida real, as pretas apegam-se cegamente a sua Dama com 9...Dg6?? e pagam o preço depois de 10.Td8+ Rf7 11.Bc4+ Be6 12.Cxe5 xeque-mate. Em vez de exibir essa ganância suicida, deveriam ter apostado no desenvolvimento com 9...Bxc3+ (na verdade, esse lance não é necessário, mas não faz mal nenhum enfraquecer a estrutura de peões do inimigo). Em seguida, depois de 10.bxc3

Cf6! 11.Txd6, cxd6, as brancas ficariam sem ameaças e as pretas ainda estariam

à frente com uma Torre extra.

TESTE 2: as brancas deveriam trocar as Damas, é claro! O lance 1.Dd2!, encaminhando para g5 ou h6, embora seja aparentemente muito ruim, mostra-se superior às forças das pretas. Em resposta a 1...Bf5, as brancas decidem que têm o jogo sob controle e devoram mais um pouco com 2.Txa6 antes de fazer a troca.

Depois de 2...Txa6 3.bxa6 Ta8 4.Dg5+ Dxg5 5.Bxg5 Txa6 6.gxf3 gxf3 7.Cxf3, as brancas ganham em mais alguns lances.

TESTE 3: trocar peças com 1...Dg1+ 2.Rc2 Dxb1+ 3.Rxb1 é o mais simples. Se jogarem 1...h3, as pretas também forçam as brancas a abandonarem a partida.

Ver todos os capítulos

Carregar mais