1258 capítulos
Medium 9788547219864

6.2 Estabelecendo indicadores de desempenho e de resultados

CROCCO, Luciano Saraiva - Uni PDF

96

CONSULTORIA EMPRESARIAL

para as ações subsequentes. Inicialmente, transformar dados em informa­

ções, definindo as forças e as fraquezas do que foi solicitado na ocasião da contratação. Em seguida, confrontar essas informações com o pré­

-diagnóstico, redefinindo os problemas e suas causas. O passo seguinte

é formar um quadro com as consequências previsíveis, no caso de con­ tinuar com as ações atuais e com as intervenções propostas anterior­ mente. Desse quadro são definidas as recomendações, sob os aspectos técnicos e comportamentais separadamente, que serão adotadas caso o cliente concorde.

Para a obtenção dessa concordância, devem ser definidos os indica­ dores que devem ser utilizados na avaliação dos diversos trabalhos.

6.2  Estabelecendo indicadores de desempenho e de resultados

Para que os indicadores sejam aprovados pelo consultor e seu cliente,

é necessário definir o que é um indicador. Na realidade, as pessoas estão habituadas a tratar os resultados como determinado padrão de medida, e não como o que ele está se propondo a medir. Por exemplo, quando um consultor pergunta que tempo de treinamento é adequado para o cliente sobre um dado tema, a resposta mais frequente pode ser em dias, horas ou qualquer outra medida de tempo, mas o indicador que se está buscando é o tempo máximo de ausência possível no tra­ balho rotineiro em relação a um período de trabalho.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547221843

6.3 Integral definida

MORETTIN,Pedro A. ; HAZZAN, Samuel; BUSSAB, Wilton O. Saraiva - Uni PDF

Capítulo 6

179

Integrais

1

17. A produtividade marginal de um fator é 10x

10 x 2 . Obtenha a função de produção sa−

bendo que, se x = 0, nenhuma unidade é produzida.

18. A propensão marginal a consumir é dada por pmg ((y) y )==0,8,

0,8 sendo que y é a renda

C

disponível. Obtenha a função consumo sabendo que quando y = 0, o consumo é

$ 100,00.

19. Com relação aos dados do exercício anterior, obtenha a função poupança.

C

20. A propensão marginal a consumir é dada por ppmgmg

((y)

=

( yy))==

C

Sabendo que, quando y = 0, o consumo é 50, pede-se: a) a função consumo; b) a função poupança; c) a propensão marginal a poupar.

1 − 21

0,y8 .

2

6.3 Integral definida

Seja f (x) uma função contínua em [a,b] e F (x) uma de suas primitivas. Portanto:

∫ f (x)dx = F(x) +c

Definimos a integral definida de f (x) entre os limites a e b, como a diferença

Ver todos os capítulos
Medium 9788547220228

Capítulo 10 - Introdução à Inferência Estatística

MORETTIN, Pedro A. Saraiva - Uni PDF

Capítulo 10

Introdução à Inferência

Estatística

10.1 Introdução

Vimos, na Parte I, como resumir descritivamente variáveis associadas a um ou mais conjuntos de dados. Na Parte II, construímos modelos teóricos (probabilísticos), identificados por parâmetros, capazes de representar adequadamente o comportamento de algumas variá­ veis. Nesta terceira parte, apresentaremos os argumentos estatísticos para fazer afirmações sobre as características de uma população, com base em informações dadas por amostras.­

O uso de informações de uma amostra para concluir sobre o todo faz parte da ativida­ de diária da maioria das pessoas. Basta observar como uma cozinheira verifica se o prato que está sendo preparando tem ou não a quantidade adequada de sal. Ou, ainda, quando um comprador, após experimentar um pedaço de laranja numa banca de feira, decide se vai comprar ou não as laranjas. Essas são decisões baseadas em procedimentos amostrais.

Nosso objetivo nos capítulos seguintes é procurar dar a conceituação formal a esses princípios intuitivos do dia a dia para que possam ser utilizados cientificamente em situações mais complexas.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547227708

Capítulo 8 - Demonstração do Valor Adicionado e outros documentos

RIBEIRO, Osni Moura Saraiva - Uni PDF

Capítulo

8

Demonstração do Valor Adicionado e outros documentos

8.1  Demonstração do Valor Adicionado

8.1.1 Introdução

A Demonstração do Valor Adicionado (DVA) é mais uma das importantes inovações trazidas pela Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007, que promoveu alterações na Lei das Sociedades por Ações.

Esse demonstrativo, que surgiu na Europa por influência da Grã-Bretanha, França e

Alemanha, tem sido cada vez mais difundido e adotado por outros países, principalmente por recomendação expressa da Organização das Nações Unidas (ONU).

O conhecimento da riqueza que será gerada e agregada por uma empresa aos seus fatores de produção, por influenciar diretamente na formação do Produto Interno Bruto

(PIB), tem sido fator decisivo em alguns países emergentes ao analisar a possibilidade de implantação, em seu território, de empresa transnacional.

Essa autorização, portanto, fica sempre condicionada à informação de como a empresa interessada irá agregar valores à economia do país ou da região em que pretende se instalar.

Ver todos os capítulos
Medium 9788547224745

17.7 Modelos de relatórios

RIBEIRO, Osni Moura Saraiva - Uni PDF

354

AUDITORIA SÉRIE EM FOCO

17.7 Modelos de relatórios6

17.7.1  Modelo 1

Relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis elaboradas de acordo com a estrutura de apresentação adequada elaborada para satisfazer às necessidades de informações contábeis comuns de ampla gama de usuários (por exemplo, práticas contábeis adotadas no Brasil).

As circunstâncias incluem o seguinte:

• auditoria de conjunto completo de demonstrações contábeis;

• as demonstrações contábeis foram elaboradas para fins gerais pela administração da entidade de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil; e

• os termos do trabalho de auditoria refletem a descrição da responsabilidade da administração pelas demonstrações contábeis na NBC TA 210.

RELATÓRIO DO(S) AUDITOR(ES) INDEPENDENTE(S) SOBRE AS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS(1)

(Destinatário apropriado)

Examinamos as demonstrações contábeis da Companhia ABC, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 20X1(2) e as respectivas demonstrações(3) do resultado, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos